tesouros do bairro

 

São Paulo cresceu de forma explosiva. No começo do século 20, a cidade tinha aproximadamente 70 mil habitantes. Ao final desse século, já eram mais de 10 milhões de paulistanos. Com isso, a esfera local da convivência foi se perdendo e as redes de vizinhança se deterioraram. 

Para acomodar tanta gente, a cidade se verticalizou – e hoje tem mais de 30 mil prédios construídos. Boa parte desses edifícios reproduz o paradigma de segregação: muros, grades, cancelas, guaritas e muito pouca diversidade. 

Nesse cenário, a cidade virou o lugar do desencontro.

Por trás desses muros concretos e simbólicos existe uma multidão de pessoas com muitas coisas em comum. Habilidades, necessidades, sonhos. Tecer relações entre esses vizinhos é fundamental para manter a cidade viva.

 

video-vila-ipojuca


É o encontro entre pessoas diversas que faz da cidade um campo de infinitas possibilidades.

A partir dessa premissa surgiu o projeto Tesouros do Bairro (ou simplesmente TdB) como uma ferramenta de compartilhamento de habilidades e reconhecimento entre vizinhos - uma iniciativa para ressignificação de espaços ociosos, criado em parceria com moradores, síndicos e comerciantes locais.

 

gif-oficinas2


Nosso desafio? Gerir demandas comuns, recursos ociosos e potencialidades individuais de forma a criar laços de comunidade e gerar riqueza entre as pessoas que vivem e trabalham dentro e perto de condomínios.

“tão importante quanto as pessoas receberem soluções que melhorem sua experiência de viver em condomínios é poderem, também, oferecer essas soluções em sua comunidade.” michel rosenthal

advogado e consultor sócio-ambiental em vizinhança urbana. é mestre pela puc sp, presidente da comissão de direito de vizinhança e urbanístico da oab/sp, autor de “situações de vizinhança no condomínio edifício, desenvolvimento sustentável das cidades, mediação e paz social” e mediador de diálogos em conflitos coletivos urbanos.

Clique no botão abaixo para conhecer nosso mapa digital.